You are currently viewing Opinião | Julgamento de Silas Câmara por ‘rachadinha’ é adiado mais uma vez

Opinião | Julgamento de Silas Câmara por ‘rachadinha’ é adiado mais uma vez

Opinião | Julgamento de Silas Câmara por ‘rachadinha’ é adiado mais uma vez

Parlamentar seria julgado pelo STF nesta quinta-feira

Processo já se arrasta por 12 anos no Supremo

Decisão é vista como jurisprudência para casos semelhantes, como o de Flávio Bolsonaro

Clima quente na CMM: Diego Afonso e Rodrigo Guedes trocam farpas

Moro rebate nota cúpula da Polícia Federal indicada por Bolsonaro: ‘não prendem tubarões’

Visita de Bolsonaro à Rússia gera show de memes nas redes sociais

Fé que move montanhas

Que o deputado federal Silas Câmara (Republicanos) é um homem de fé, ninguém duvida. Tanto que, além de parlamentar, é pastor evangélico. E sua fé, ao que tudo indica, tem poder de mover montanhas, como diz o relato bíblico.

Anúncios

A montanha, nesse caso, é o julgamento da denúncia de ‘rachadinha’ (crime de peculato) feita pelo Ministério Público Federal (MPF) contra o político, que mais uma vez foi adiado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

Silas seria julgado nesta quinta-feira (17), conforme o calendário informado pele Suprema Corte no final do ano passado. No entanto, na tarde de ontem (16), o site do STF mostrou a seguinte informações sobre o julgamento:
“Excluído do calendário de julgamento pelo presidente”.

Relembrando os fatos

A denúncia contra Silas Câmara foi recebida pelo STF em dezembro de 2010 e acusa o deputado de recolhimento de partes do salário de 18 funcionários de seu gabinete.

Os crimes teriam ocorrido entre 2000 e 2011, totalizando um desvio de quase R$ 145 mil, em valores da época.

Além de Silas, seu ex-secretário parlamentar, Raimundo da Silva Gomes, também foi denunciado pelo MPF.

Lentidão

De 2010 para cá, ou seja, quase 12 anos, a denúncia segue à espera de uma decisão final dos ministros e somente em 2020 começou a ser julgada.

O ministro Luís Roberto Barroso, relator da ação, fixou pena de cinco anos e três meses de prisão, além da perda do mandato de deputado federal e a devolução de R$ 248.205,93 aos cofres públicos.

Além dele, o ministro Edson Fachin também já votou favorável no início do julgamento, em 20 de novembro de 2020.

No entanto, após o ministro Nunes Marques pedir que a votação ocorresse presencialmente, o julgamento foi adiado.

Jurisprudência

Nos bastidores de Brasília comenta-se que a decisão da ação penal contra Silas Câmara servirá como jurisprudência (base) para todas as demais decisões do tipo no País.

Por esse motivo, o julgamento do parlamentar amazonense passou a atrair os holofotes, já que o presidente Jair Bolsonaro (PL) e o filho dele, o senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), são acusados da mesma prática.

Clima quente

O clima esquentou durante os debates na Câmara Municipal de Manaus (CMM) ontem (16), após o vereador Diego Afonso (União Brasil) chamar o colega Rodrigo Guedes (PSC) de “covarde”.

O motivo da desavença foi uma obra no bairro São Raimundo, Zona Oeste de Manaus. Segundo Afonso, o colega de parlamento tem se “apropriado” de uma articulação sua e disseminado falsas informações sobre as atividades na Casa.

“Fake news é crime. Para cobrar respeito, seja respeitado primeiro. Tenha atitudes que mereçam respeito por esse parlamento. Vossa excelência já teve problema com todos os vereadores, vossa excelência expõe essa Casa com atitudes como essa. Iremos até a última instância, porque a população do São Raimundo sabe de quem é a intervenção”, vociferou Afonso.

Dividindo os louros

De forma debochada, Afonso afirmou não tem problema em dividir os louros da obra com Guedes.
“Vossa Excelência chega a envergonhar o seu partido, este Parlamento e sua família. Mas vou fazer um desafio: se Vossa Excelência quer ser o autor da obra, eu divido”, disse.

“Não prendem tubarões”

O ex-ministro da Justiça Sergio Moro (Podemos) rebateu as críticas feitas pela cúpula da Polícia Federal, que na terça-feira (15), o acusou de mentir em seus “ataques descabidos” à entidade.

Como resposta, Moro disse que após a interferência de Bolsonaro na cúpula da corporação ela parou de prender “grandes tubarões” por crimes de corrupção.

“Não é só uma questão de quantidade, mas de quem está sendo preso. Prendeu o bagrinho da corrupção? Isso sempre teve. Prendeu lá um funcionário público que cobrou propina para conceder uma licença, um guarda que deixa de aplicar uma multa. Isso tem. Agora grande corrupção, os grandes tubarões… Não está tendo prisão nenhuma. A gente não ouve falar nada sobre isso”, declarou Moro, em entrevista à Rádio Rio FM, de Aracaju.

Show de memes

Foi uma grande coincidência, mas o fato de Jair Bolsonaro ter chegado à Rússia justamente no dia que Vladimir Putin decidiu não mais avançar com suas tropas em direção à Ucrânia, gerou um show de memes nas redes sociais.

Os apoiadores do presidente, lógico, trataram de afirmar, em tom de brincadeira, que o “mito” é o verdadeiro responsável por evitar a 3ª Guerra Mundial.

De pessoas comuns a políticos com e sem mandato, o que mais se viu foram vídeos de Putin discursando com uma legenda distorcida com congratulações ao mandatário do Brasil.

É fake

Foram tantos memes que jornalistas famosos e veículos de comunicação como Folha de São Paulo e Globo News produziram matérias desmentindo as informações contidas nas brincadeiras.
Ou seja, reportagem para desmentir memes!

 

Siga a Direto ao Ponto:

Facebook: facebook.com/diretoaopontonews1

Instagram: @diretoaopontonews

Twitter: @diretoaoponto1_

Fale com a gente:

Receba a coluna no seu WhatsApp: 92 98422-0558

Redação: 92 99189-4271

Editor-chefe: 92 99109-1099

 

Deixe um comentário