You are currently viewing Opinião | BBB 22 e Eleições 2022: quais as semelhanças

Opinião | BBB 22 e Eleições 2022: quais as semelhanças

Opinião | BBB 22 e Eleições 2022: quais as semelhanças

Arthur Virgílio repercute meme de “entrada” no ‘Big Brother Brasil’

PSDB aproveita reality para anunciar Dória “pai da vacina”

Meme de Bolsonaro no paredão do BBB viraliza nas redes

BBB e Eleições

O ano de 2022 reserva muitos acontecimentos que devem mobilizar o Brasil inteiro. Dois deles são o BBB 22 e também as Eleições gerais. São cerca de seis meses de diferença entre o fim do reality e o dia das Eleições 2022.

Anúncios

Além da similaridade de muitos personagens do reality com políticos, separamos algumas “coincidências”, ou não, sobre os dois assuntos que devem dar o que falar durante o ano todo.

Votação

No jogo, onde as pessoas precisam conviver durante cerca de três meses para levar o prêmio de R$ 1,5 milhão, é o público quem decide quem fica e quem sai da casa, tirando a oportunidade de conseguir faturar o dinheiro.

A votação do BBB 22 funciona de forma on-line, com os votos auditados e contabilizados. Os chamados “paredões” do Big Brother já tiveram números históricos de votação nas edições passadas.

Já nas Eleições 2022 a forma de votação é diferente, a começar pelas regras. É necessário ter no mínimo 16 anos para poder votar no Brasil. A partir dos 18 anos, o voto se torna obrigatório para todos os brasileiros.

Maioria

O jogo também é diferente. As Eleições de 2022 elegem além do Presidente da República outros cargos como Senador, Deputado Federal, Estadual e Governador.

É necessário ter a maior porcentagem de votos válidos para eleger alguém ao cargo majoritário. No entanto, para governador e presidente, caso não seja 50% + 1 de votos, as eleições devem ter o segundo turno com os dois candidatos mais votados do primeiro turno.

Campeões e eleitos

O Brasil já teve 38 Presidentes da República. Sendo que 18 deles foram eleitos de forma direta, através da votação nas urnas. Desde que o Brasil se tornou uma República os presidentes do país foram escolhidos de formas diferentes.

Antes, eram eleitos indiretamente, empossados pelo regime militar e juntas governativas provisórias.

No Brasil também é possível ser eleito presidente através de ascensão pela linha sucessória. O caso mais recente no país foi quando Dilma Rousseff sofreu impeachment e Michel Temer assumiu o governo em agosto de 2016.

Participantes

Assim como no BBB, as Eleições no Brasil também têm especulações sobre quem serão os candidatos aos cargos públicos.

Entre anônimos e “famosos”, os dois locais mostram concorrentes bem diferentes.

Ex-BBB eleito a cargo público

Pelo menos 15 ex-BBBs já tentaram se aventurar no legislativo, entre funções de deputados ou vereadores, mas apenas um foi eleito até hoje.

O ex-BBB, Jean Wyllys, saiu do reality para o Congresso Nacional. Ele foi o ganhador da quinta edição do Big Brother Brasil. Wyllys foi também deputado federal pelo Rio de Janeiro, com mandato de 2011 a 2019, quando renunciou ao mandato.

Nomes como Willian Alemão e Kleber Bambam não tiveram sucesso nas urnas. E olha que teve quem tentou mais de uma vez.

Big Brother e a política atual

Existem lições do BBB que precisam ser usadas para o sucesso nas eleições desse ano.

Na política e no “BBB”, o posicionamento nas polêmicas pode ser decisivo nas próximas eleições. Como quem decide é o público, vence quem se posiciona ou agir conforme as tendências predominantes do público.

Não à toa, eu acho que é mais difícil disputar o “BBB” do que uma eleição. No “BBB”, o voo é às cegas. Nas campanhas, os políticos têm acesso a pesquisas eleitorais.

Atrair a atenção

Um dos aprendizados que a política deve tirar a partir do “BBB” é que o segredo do sucesso está na capacidade de atrair e fixar audiência, atenção. E ela precisa ser contínua.

Poucas coisas geram mais isso do que polêmicas. As polêmicas são fundamentais para alimentar a atenção e o interesse no consumo. Não é sem motivo que o programa possui um dia específico para provocar discórdias entre os confinados.

Os políticos polêmicos são os que mais obtêm popularidade digital. São os que chamam nossa atenção, os que paramos para assistir. Pelo mesmo motivo que a Juliette e o Gil do Vigor se transformaram em protagonistas da última temporada do “BBB”: adoravam uma confusão!

Posicionamento

Não há fórmula mágica. Existe sorte, existe estratégia. Mas podemos pensar que a postura e a reação diante das polêmicas pautadas é um elemento central de sucesso. Saber escolher estrategicamente os posicionamentos que mais atraem o público e o eleitor é um diferencial.

E nem pense em ficar em cima do muro. Não estamos em um contexto no qual a tradicional postura “não sou a favor nem contra ou prefiro não me meter”, seja bem vista.

“Selecionados”

Entre os políticos “selecionados” para o BBB 22 que não perderam a oportunidade de entrar na brincadeira em suas redes sociais, foi o pré-candidato ao Senado, Arthur Virgílio (PSDB).

“Arthur Virgílio Neto, 43 anos de vida pública. Em defesa da Amazônia, Manaus – AM”, postou Arthur.

‘O pai da vacina’

Já o governador de São Paulo, Joao Dória (PSDB), se descreveu como “pai da vacina” e também entrou na brincadeira.

No paredão

Já o presidente Jair Bolsonaro foi alvo de opositores que o classificaram com o seguinte perfil:

“Pior presidente da história do Brasil”.

Positivados

No mesmo dia, o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos) criticou a Globo por não cancelar o BBB22.

Para ele, a emissora deveria desistir da atração depois que 3 participantes foram diagnosticados com covid-19.

 

Siga a Direto ao Ponto:

Facebook: facebook.com/diretoaopontonews1

Instagram: @diretoaopontonews

Twitter: @diretoaoponto1_

Fale com a gente:

Rebeca a coluna no seu WhatsApp: 92 98422-0558

Redação: 92 99189-4271

Editor-chefe: 92 99109-1099

Deixe um comentário