Fogo cruzado

Fogo cruzado

O radialista e empresário Ronaldo Tiradentes publicou nota de esclarecimento em suas redes sociais comentando sobre as supostas denúncias veiculadas na internet contra suas empresas.

“Blogs desinformados e sem credibilidade à serviço de um conhecido, corrupto, paraense, com mandato no Amazonas e, respondendo a mais de 10 inquéritos no Supremo Tribunal Federal por desvio de recursos públicos, e de uma p#%@&0 de luxo – também com mandato, nacionalmente reconhecida depois de publicadas suas peripécias nas entranhas da Operação Maus Caminhos, publicam em posts patrocinados (por quem?), que existe um inquérito que apura suposta fraude em licitação contra mim, as empresas de minha família e o senador Omar Aziz.”

Ainda em nota, o radialista afirma que as denúncias não são verdadeiras. Que não existe inquérito nenhum.

“O que existe é uma denúncia fabricada e protocolada anonimamente pelo ladrão de recursos públicos, o mesmo que desviou boa parte das verbas do PROSAMIM. Roubou dinheiro de gente pobre, mas voltará em breve para pedir o voto de quem ele roubou. Sérgio Moro o aguarda.”

Chapa quente

A deputada Alessandra Campêlo (MDB) levou à tribuna da Assembleia Legislativa, nesta terça-feira (27), um calhamaço de papéis com os quais pretende provar que não tem nada a ver com os contratos da Clínica Oftalmológica Vision, de propriedade de seu namorado Dennis Marcelo.

A clínica está sendo investigada na Operação Maus Caminhos e Alessandra tem sofrido bombardeios de parte da mídia aparelhada, como se fizesse parte de uma grande quadrilha.

Agitada, falando mais rápido que de costume e evidentemente irritada, Alessandra falou por mais de 10 minutos em defesa própria na tribuna da Aleam, demonstrando ser uma campanha difamatória o que está sendo divulgado em portais de notícias da cidade.

Curiosamente a assessoria da deputada não divulgou uma linha sobre o assunto.

O que está oculto

O que acontece com Alessandra Campelo é simples: uma guerra entre poderosos, na qual ela é bucha de canhão. Na semana passada Alessandra assinou o pedido de instauração da CPI da Saúde, o que irritou o senador Omar Aziz, então governador no período que está sendo investigado.

Ao que tudo indica, Omar mobilizou sua tropa para que investigassem a deputada, que supostamente está envolvida nos escândalos da Maus Caminhos e que teria não apenas interesse em beneficiar a clínica do namorado, mas “mexido os pauzinhos” para que isso acontecesse.

Do outro lado do fogo cruzado, o governador Amazonino Mendes tem interesse em “detonar” o senador Omar Aziz, que já se diz candidato ao governo deste ano, antes que suas asinhas cresçam.

Aí, entraria o interesse de que a deputada assinasse a CPI da Saúde – com vistas a atingir Omar.

Bombeiro

A respeito do rastilho de pólvora que está aceso, o deputado estadual Serafim Corrêa comentou hoje em seu discurso na Aleam:

“Eu disse no primeiro dia do meu mandato que está faltando conversa na política do Amazonas. Hoje, é uma artilharia constante de vários grupos políticos. Uns querendo destruir os outros”.

Serafim ainda sonha com uma união que beneficie a população, não interesses pessoais.

Quem avisa

Ao falar sobre as visitas às cidades do interior do Estado, o deputado Adjuto Afonso, alertou:

“2018 é ano eleitoral, então vão aparecer muitos paraquedistas fazendo promessas sem fundamento para a população”.

Suframa

Por falar em Adjuto, a Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) comemora 51 anos de criação nesta quarta, 28 e ele convidou o superintendente da autarquia, Appio Tolentino, para falar sobre as perspectivas do modelo. Será numa Cessão de Tempo, a partir das 10h, no Plenário Ruy Araújo, da Assembleia Legislativa do Amazonas.

Alfinetadas

O presidente da Assembleia Legislativa, deputado David Almeida, não perde uma oportunidade de espetar o governo de Amazonino Mendes.

Além de postar quase diariamente em sua página do Facebook as iniciativas que adotou quando governador, faz o mesmo na tribuna.

Nesta terça, lembrou que quando estava como governador interino, determinou o asfaltamento da estrada do Mapiá, no município de Borba. Mas assim que Amazonino assumiu, mandou suspender o trabalho e a obra foi “destratada”.

“Destrataram para iniciar novamente um planejamento e fazer uma nova licitação, que não terá tempo para ser concluída, por conta do período eleitoral.

E o que acontece? O povo de Borba vai ser punido porque quem deu a ordem de serviço foi o deputado David Almeida”, criticou.

Eleições no TRE-AM

Sete advogados concorrem para a vaga de membro jurista do TRE-AM. A votação ocorre no próximo mês de março, com o pleno do Tribunal de Justiça composto por 23 desembargadores encaminhando uma lista tríplice para apreciação do presidente da República, Michel Temer.

Contrassenso

Membros do TJAM não escondem o desconforto da indicação de advogados ligados à membros da corte ao pleito.

Codam

Será nesta quarta, 28, a primeira reunião de 2018, do Conselho de Desenvolvimento do Estado do Amazonas (Codam). Estão em pauta 26 projetos industriais com investimentos estimados em R$ 823 milhões.

Só para comparar, no ano passado a primeira reunião teve 28 projetos, com investimentos estimados em R$ 2 bilhões. Ao longo de 2017, os projetos movimentaram R$ 7,2 bilhões.  Vamos ver em 2018.

Dois pesos, duas medidas

O Brasil criou o péssimo hábito de não tratar todos da mesma forma. Pior ainda, o costume ficou tão arraigado que já nem nos chocamos mais.

Enquanto funcionários públicos se aposentam com aposentadoria integral, a maioria dos brasileiros têm de se contentar com uma fração disso.

Enquanto a Justiça para a maioria dos brasileiros é uma, para os que gozam de foro privilegiado é outra.

Enquanto juízes e legisladores têm auxílios diversos, a maioria dos brasileiros nem sabe o que é isso.

O mais novo caso onde os mais fracos receberam tratamento de cidadãos de segunda classe foi no Refis, o programa de refinanciamento de dívidas do governo federal.

Como é de conhecimento geral, o Congresso Nacional aprovou um projeto que beneficia grandes empresas com o parcelamento de dívidas tributárias com a União.

Na sequência, ele aprovou por unanimidade um projeto que estende o mesmo benefício aos pequenos negócios, nos mesmos parâmetros do que foi concedido às grandes empresas.

O governo federal sancionou o projeto que concede os benefícios às grandes empresas, mas vetou aquele que concederia os mesmos benefícios às micro e pequenas empresas.

A justificativa para o veto presidencial foi que esse projeto pioraria a situação das contas públicas.

A justificativa é verdadeira, mas inaceitável, já que ela foi desconsiderada no caso das grandes empresas.

Além de não ser isonômico, o tratamento diferenciado é injusto e contraproducente.

Caiu

O diretor-geral da PF, Fernando Segovia, caiu.

Bateu de frente com Raul Jungmann, novo ministro da Segurança Pública, e levou a pior.

 O quarto poder

A gota d’água para a demissão de Fernando Segovia foi a revelação pela imprensa de que os delegados da PF seriam obrigados a fornecer o número de um inquérito toda vez que precisassem de reforços para uma operação.

Segovia recuou na sua decisão, mas o estrago já estava feito.

A batata do agora ex-diretor começou a assar há algumas semanas, após a entrevista à Reuters na qual sugeriu que o inquérito dos portos – que tem Michel Temer como alvo – acabaria arquivado por falta de provas.

Delegados felizes

Muitos delegados ficaram felizes com a demissão de Fernando Segovia e a nomeação de Rogério Galloro, que costuma respeitar ‘a turma da investigação’.

O sucessor

No lugar de Fernando Segovia assumirá o Delegado de Polícia Federal, Rogério Augusto Viana Galloro, secretário-nacional de Justiça, do Ministério da Justiça e Segurança Pública, desde 22 de novembro de 2017.

Este post tem um comentário

  1. Angela

    Excelente. Notícias quentes.

Deixe um comentário