Opinião | Bolsonaro em pé de guerra com o Congresso

Opinião | Bolsonaro em pé de guerra com o Congresso

As manifestações convocadas no país inteiro para o próximo domingo (26), em apoio ao governo Bolsonaro, contra o Congresso e o Supremo, podem dificultar ainda mais a vida do presidente, das reformas e do país.

Anúncios

Essas manifestações que tem sido defendidas, nas redes sociais, pelos filhos do presidente e por parte dos parlamentares do PSL, não agrada grande parte do governo, que acredita que um embate direto com o congresso não é a solução.

Em Manaus o evento será realizado à partir das 15h, na Ponta Negra. Os deputados federais Capitão Alberto Neto e Delegado Pablo já confirmaram presença.

“Tiro na cabeça”

Aliados de Jair Bolsonaro disseram que um eventual fracasso da marcha pode representar “não um tiro no pé, e sim um tiro na cabeça”.

A marcha bolsonarista do próximo domingo pode ter o mesmo efeito dos protestos frustrados contra a prisão de Lula: se o povo das redes sociais não sair às ruas, o poder de Bolsonaro pode começar a murchar.

Ficaram de fora

O tom da manifestação fez com que empresários parceiros, como os liderados por Flávio Rocha do Brasil 200, se afastassem.

Grupos que estiveram à frente das manifestações pelo impeachment de Dilma Rousseff também se afastaram, como o Vem Pra Rua que “afirmou que não aderiu aos atos porque respeita “o equilíbrio institucional entre os poderes da República” e o próprio Movimento Brasil Livre (MBL) que afirmou que os protestos são “antirrepublicanos”. “Pelo bem das reformas e do país, ficaremos de fora deste ato.”

Não vai participar

Apesar de Bolsonaro já ter avisado aos aliados que não vai às manifestações de domingo, a impressão é que ele passou a acreditar de fato na retórica salvacionista que permeou sua campanha eleitoral, alimentada por alguns assessores e pelos filhos com o intuito de antagonizar o Congresso.

Com cinco meses de governo e com praticamente todos os indicadores sociais e econômicos apresentando sensível deterioração, Bolsonaro começa a flertar com a ‘ruptura institucional’, expressão que apareceu no texto que o presidente chancelou ao distribuí-lo na sexta-feira passada.”

Interesses

Nesse jogo de Brasília cada político e partido tem um interesse.

Já pensando em 2020, tem gente que não quer ver o Bolsonaro bem. Isso porque as eleições para prefeito e vereador que ocorrerão em 2020 serão influenciadas diretamente pelo sucesso ou fracasso do atual governo federal. E serão a base para 2022.

Outra via

Nada contra a estratégia dos bolsonaristas, é preciso tomar uma decisão. Mas existem outros caminhos, como o defendido pela ala militar do planalto: Parar de falar, falar só o essencial, dizer só o essencial e trabalhar muito.

A estratégia da ala militar também não é ruim, mas para funcionar seria preciso maturidade, paciência e resiliência. Características raras na maioria dos políticos, e com o clã Bolsonaro não é diferente.

Dá tempo

O governo Bolsonaro precisa parar de perder tempo com picuinhas, bobagens e de achar que pode governar o Brasil pelas redes sociais.

No Congresso está na hora da nova leva de parlamentares, que em sua maioria compõe a base do governo, aprender determinados truques e práticas para enfrentar o adversário sem escrúpulos. Não há outra saída.

Quanto a nós brasileiros precisamos dar mais tempo ao novo governo. Não dá para resolver todos os problemas do país em cinco meses. Até porque tivemos duas décadas perdidas.

Encontro com representantes da ONU

O governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), se reuniu nesta terça-feira (21), com representantes da Organização das Nações Unidas (ONU) e o coordenador operacional da Força-Tarefa Logística Humanitária de Roraima, general Eduardo Pazuello.

No encontro foram discutidos experiências, desafios no atendimento de refugiados e migrantes e apresentado ao governador o Programa de Interiorização de Venezuelanos, que completou um ano em abril, e levou mais de 5 mil venezuelanos para 67 cidades brasileiras.

Manaus foi um dos locais que recebeu imigrantes por meio do programa de interiorização do Governo Federal.

Moro em Manaus

O Ministro da Justiça e Segurança Pública do Brasil, Sérgio Moro, vai estar em Manaus na próxima sexta-feira (24) participando do III Seminário Internacional de Segurança da Amazônia (SISAM), onde irá palestrar sobre “Políticas Públicas de Segurança’.

 

 

 

Siga a Direto ao Ponto:

Facebook: facebook.com/diretoaopontonews1

Instagram: @diretoaopontonews

Twitter: @diretoaoponto1_

 

Fale com a gente:

WhatsApp: 92 98413-2214

WhatsApp: 92 99382-4598

Deixe um comentário