Opinião | CPI da Pandemia pode alçar Omar a candidato ao Governo do Amazonas

Opinião | CPI da Pandemia pode alçar Omar a candidato ao Governo do Amazonas

Opinião | CPI da Pandemia pode alçar Omar a candidato ao Governo do Amazonas

Condução no colegiado será a fiel da balança

Plano B é virar ministro do TCU

Omar recebe afago da família Bolsonaro

Nejmi Aziz assina requerimento da CPI da Covid no AM

De olho em 2022

Em funcionamento efetivo há quase três semanas, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga as ações e omissões dos governos (federal, estaduais e municipais) no enfrentamento da pandemia do novo coronavírus virou palco de uma guerra declarada entre governistas, oposicionistas e independentes.

Anúncios

Além de protagonizar disputas judiciais, requerimentos para retaliar os adversários e muito bate-boca, até o momento cada congressista tem posto seus interesses na mesa, além é claro, dos interesses do povo brasileiro.

Tensão

Por enquanto o Governo Federal foi o único que enfrentou semanas tensas no colegiado, e só não foi pior por conta da postura do presidente, senador Omar Aziz (PSD), que não entrou na onda dos colegas mais radicais. Pelo menos não por enquanto.

Fiel da balança

Já ficou claro que Omar Aziz pode ser o fiel da balança, desempenhando um papel importante nesse jogo, dando a cadencia, direcionando, se tornando assim, o carrasco ou até mesmo o juiz, como no caso do ex-secretário das Comunicações Fabio Wajngarten, que não foi preso, muito por conta do posicionamento do parlamentar.

Por ora, Omar também vai barrar a convocação do vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos) para depor na comissão.

Afago da família Bolsonaro

Essa atuação mais sensata agradou, inclusive, a família Bolsonaro. Por conta disso, o senador pelo Amazonas recebeu afagos dos filhos 01 e 03, Flávio Bolsonaro e Carlos Bolsonaro, respectivamente.

Planos para 2022

Tem um famoso ditado no parlamento que diz que “CPI a gente sabe como começa, mas nunca sabe como vai terminar”.

Ainda é cedo para afirmar como essa CPI irá acabar. Mas com toda certeza, cada passo dado por Omar é friamente calculado pensando em 2022.

O caminho natural é capitanear apoio para a sua reeleição ao Senado, tanto do Governo Federal quanto do Governo do Estado.

Plano B

Também já se especula nos bastidores que o senador está de olho na vaga da ministra Ana Arraes, do Tribunal de Contas da União (TCU), que se aposenta em 2022.

A semente dos sonhos

Há quem aposte que a CPI da Pandemia é a vitrine que o senador Omar Aziz precisava para se projetar para a disputa do governo do Amazonas em 2022.

Aliados e o famoso Guru da comunicação e das pesquisas eleitorais do senador, já incentivam e trabalham com essa hipótese.

Nejmi assina CPI

Por falar em CPI, a esposa do senador, deputada estadual Nejmi Aziz (PSD) assinou a CPI da Covid Baré, que quer investigar o Governo do Amazonas na gestão da pandemia.

Além de Nejmi, assinaram o pedido de instalação da CPI os autores da proposta, Wilker Barreto e Dermilson Chagas, ambos do Podemos, e Delegado Péricles (PSL).

Para prosperar na Assembleia Legislativa do Amazonas, no entanto, o pedido de CPI precisa ter, no mínimo, oito assinaturas, um terço do plenário.

Processo acelera no STJ

Chamou a atenção de advogados e políticos o avanço atípico da denúncia feita pela Procuradoria-Geral da República (PGR) ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) no caso envolvendo a compra de respiradores pelo Governo do Amazonas.

Em seis dias, a PGR recebeu o relatório da Polícia Federal e produziu uma denúncia de 187 páginas que foi encaminhada ao STJ, que em dois dias intimou os acusados e antes mesmo do prazo para defesa se encerrar, marcou o julgamento para o recebimento da denúncia, que, segundo publicado no Diário da Justiça, será no dia de 2 de junho.

A quem interessa acelerar o tramite do processo?

 

Siga a Direto ao Ponto:

Facebook: facebook.com/diretoaopontonews1

Instagram: @diretoaopontonews

Twitter: @diretoaoponto1_

Fale com a gente:

Rebeca a coluna no seu WhatsApp: 92 98422-0558

Redação: 92 99189-4271

Este post tem um comentário

  1. carlos

    O senador Omar Aziz, foi feliz ao enquadramento de Eduardo Girão, ele foi presidente do Fortaleza renunciou alegando saudades da família que mora na Flórida Estados Unidos, aventureiro e oportunista.

Deixe um comentário