Opinião | Mais um ataque a ZFM

Opinião | Mais um ataque a ZFM

Menos de uma semana depois de pedir pirarucu e apertar as mãos dos parlamentares amazonenses, o ministro da Economia, Paulo Guedes voltou a falar da Zona Franca de Manaus.

Anúncios

O teor da declaração não foi nada legal. Em uma entrevista ao G1 nessa segunda-feira, Guedes falou que a decisão do Supremo Tribunal Federal de reconhecer o direito de contribuintes aos créditos do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) na compra de insumos produzidos na ZFM não contribui para resolver o problema fiscal do país.

Não tem jeito

Ele foi incisivo ao afirmar que a decisão do Supremo criou um rombo nos cofres públicos de 20 a 30 bilhões de reais.

“Eu não vou criticar o Supremo do ponto de vista jurídico. Agora, do ponto de vista econômico, você devolver impostos que não foram pagos, não contribui para resolver o problema fiscal brasileiro”, declarou o ministro.

A maioria dos ministros do STF entendeu que a ZFM, de difícil acesso e distante dos grandes centros do país, necessita de incentivos para se desenvolver.

Repercussão

Em publicação no instagram o Senador Eduardo Braga pediu união entre o Governo do Amazonas, a Suframa, as entidades da sociedade civil, patronal e dos trabalhadores contra essa onda de hostilidades que vem se criando sobre a Zona Franca de Manaus!

Braga questionou como é possível fazer o “Mais Brasil, menos Brasília” se o titular da Economia dá seguidas demonstrações de que pouco entende de Brasil, de Amazônia e de desenvolvimento regional.

“O Ministro Paulo Guedes talvez desconheça que 58% da renúncia fiscal do Brasil está no Sul e Sudeste, e que os 42% restantes estão divididos entre as demais regiões. Não desisto dessa luta!”, afirmou o senador.

Reforma da Previdência

Amanhã é feriado e boa parte dos deputados federais não apareceram na Câmara na segunda-feira. A falta coletiva fez com que não houvesse sessão, adiando, assim, o início da contagem do prazo para a apresentação de emendas na comissão especial da reforma da Previdência.

O feriado é do dia do trabalhador, né?!?!

Malha viária do Distrito

A Prefeitura de Manaus em parceria com a Superintendência da Zona Franca de Manaus (Suframa) anunciou, com pompa, que as obras de asfaltamento das vias do Distrito Industrial iniciam ainda neste semestre. A comunicação foi feita nesta segunda-feira (29) em coletiva de imprensa.

Prazo apertado

Levando em consideração que este primeiro semestre finaliza dentro de 61 dias e que técnicos da Suframa vão fazer uma análise criteriosa de toda a documentação do projeto final das obras, licitadas pela prefeitura, este prazo pode até nem ser cumprido à risca.

Burocracia

Esse trâmite burocrático é necessário para que as partes assinem os contratos com as empresas vencedoras das licitações, Ardo e Soma, que levaram os lotes 2 e 3, respectivamente. O lote 1 vai passar por nova licitação, previsto para 20 de maio.

Buraqueira infernal

Durante a coletiva, o prefeito Arthur Neto (PSDB) afirmou que as obras estão prontas para iniciar. Os condutores que utilizam diariamente as principais vias do Distrito Industrial, por onde escoa toda produção industrial de Manaus, também estão ávidos por essa reforma urgente da estrada esburacada.

Presente aos condutores

Aliás, esse é uma “dor de barriga” antiga, que já se arrasta há mais de uma década, em que o poder público “virou as costas” para a revitalização desse trecho viário da capital, tão importante e venal para a economia do Estado.

Asfalto e a eleição

Orçada em R$ 134 milhões, as obras de recuperação viária do Distrito Industrial, com certeza serão muito bem utilizadas como palanque eleitoral no pleito municipal de 2020. Logo, veremos!

 

 

Siga a Direto ao Ponto:

Facebook: facebook.com/diretoaopontonews1

Instagram: @diretoaopontonews

Twitter: @diretoaoponto1_

 

Fale com a gente:

WhatsApp: 92 98413-2214

WhatsApp: 92 99382-4598

Este post tem um comentário

  1. Írio Guerra

    Ministro Paulo Guedes, é cheio de controvérsias e provavelmente aumentará as dissensões no atual governo. Não demorará a criar tantos inimigos no parlamento q ficará inviável sua manutenção no cargo.

Deixe um comentário