Opinião | Pai do deputado Saullo Vianna, assessora e presidente do Caprichoso são presos

Opinião | Pai do deputado Saullo Vianna, assessora e presidente do Caprichoso são presos

Opinião | Pai do deputado Saullo Vianna, assessora e presidente do Caprichoso são presos

Polícia Federal aponta contrato superfaturado de R$ 13 milhões no transporte escolar

FB rejeitou 250 mil anúncios políticos

A Polícia Federal deflagrou, com o auxílio da Controladoria-Geral da União, na manhã desta segunda-feira (23), a Operação Ponto de Parada, com o objetivo de investigar fatos relacionados a possíveis práticas dos crimes de fraude à licitação, desvio de recursos públicos e lavagem de dinheiro em contrato de fornecimento de transporte escolar junto à Prefeitura de Presidente Figueiredo/AM.

Anúncios
⭕

Mandatos Judiciais

Foram cumpridos 11 mandados judiciais, dos quais 7 são de busca e apreensão e 4 de prisão temporária. Também foi deferido judicialmente o sequestro de bens e valores no montante aproximado de R$ 13 milhões.

Segundo noticiou o BNC Amazonas, foram presos o pai do deputado estadual Saullo Vianna (PTB), Sérgio Vianna, a assessora do parlamentar Rosedilce de Souza Dantas e Udsom Maranhão Duarte e o presidente do boi-bumbá Caprichoso, Jender Lobato.

⭕

Superfaturamento

Segundo as investigações da Polícia Federal, duas empresas concorreram a uma licitação da Prefeitura de Presidente Figueiredo, no ano de 2017, para fornecimento de transporte escolar, mas uma delas cobriu a proposta da outra, com o intuito de dar aparência de legitimidade na concorrência.

A empresa vencedora subcontratou, de maneira integral, os serviços de transporte escolar. Na ocasião, ela recebeu o montante de quase R$ 13 milhões e gerou um superfaturamento por sobrepreço no serviço de, aproximadamente, R$ 4 milhões.

⭕

Movimento Financeiro

A Polícia Federal identificou que o grupo investigado realizou saques e movimentações de elevadas quantias em espécie, à margem do Sistema Financeiro, a fim de encobrir os lucros obtidos com a prática criminosa.

⭕

30 anos de prisão

Os indiciados poderão responder, na medida de suas responsabilidades, pelos crimes de fraude à licitação, peculato, associação criminosa e lavagem de dinheiro. Se condenados, poderão cumprir pena de até 30 (trinta) anos de reclusão.

O nome da Operação Ponto de Parada faz referência aos locais de embarque e desembarque dos alunos da rede pública que utilizam o transporte escolar.

⭕

Nota

Em nota o vice-líder do governo Saullo Vianna afirmou que esta à disposição das autoridades para colaborar no trabalho de investigação sobre as denúncias relacionadas a licitações em Presidente Figueiredo, em 2017.

“Vou procurar me inteirar dos autos para entender o envolvimento do meu nome nessa acusação para que eu transmita as informações necessárias e de forma transparente, como sempre faço, para a sociedade.”, afirmou o deputado.

⭕

Diretoria do Caprichoso

A diretoria do Bumbá Caprichoso informou, em nota, que acompanha as informações que envolvem o nome do presidente Jender Lobato e do ex-vice presidente, Sérgio Viana. E que a conforme dispõe nossa Constituição Federal, ninguém será considerado culpado enquanto não houver decisão definitiva da Justiça, devendo se resguardar o contraditório, ampla defesa e o devido processo legal.

O posicionamento é assinado pelo vice-presidente do Bumbá, Karu Carvalho.

⭕

Associação criminosa e corrupção

O deputado também é investigado pelo Ministério Público Federal no Amazonas (MPF/AM), em outro processo pelos crimes de corrupção e de associação criminosa durante a campanha eleitoral de 2018.

Em dezembro de 2018, Saullo Vianna chegou a ser preso pela Polícia Federal, chegando a ficar cinco dias no Centro de Detenção Provisória Masculino 2 (CDPM), unidade prisional em Manaus.

⭕

Redes Sociais

Durante a campanha de primeiro turno, o Facebook removeu mais de 140 mil conteúdos em sua plataforma e também no Instagram, que desencorajam eleitores a irem votar.

A empresa também rejeitou 250 mil anúncios ligados à política ou eleições que não indicavam quem pagou por elas ou não estavam identificadas como propaganda eleitoral.

Em agosto, a rede social passou a exigir identidade e endereço residencial de pessoas interessadas em fazer propaganda política.

 

 

Siga a Direto ao Ponto:

Facebook: facebook.com/diretoaopontonews1

Instagram: @diretoaopontonews

Twitter: @diretoaoponto1_

Fale com a gente:

WhatsApp: 92 98413-22

Deixe um comentário