Você está visualizando atualmente Opinião | Segundo turno no Amazonas

Opinião | Segundo turno no Amazonas

Foi-se o tempo que as eleições para o Governo do Amazonas eram decididas por dois grupos políticos no primeiro turno, com a polarização de apenas dois candidatos. Como diz o ditado: “muito cacique pra pouco índio.”

O Centro Integrado de Pesquisa e Comunicação (CIPEC), divulgou pesquisa, registrada no TSE sob o nº AM-09504/2018, apontando que as eleições de 2018 no Amazonas caminham para serem definidas no segundo turno.

Amazonino lidera

Buscando a reeleição, Amazonino lidera as intenções de voto com 24% e tudo indica, pelo andar da carruagem, que terá uma vaga garantida no segundo turno.

Vale citar que a pesquisa aponta Amazonino com praticamente 1/3 dos votos dos eleitores mais jovens, entre 16 e 24 anos, e 1/4 dos votos dos eleitores mais velhos acima de 60 anos.

Outro ponto importante, que não está na pesquisa, é a possível entrada do prefeito de Manaus, Arthur Virgílio (PSDB), na campanha do Negão.

David se consolida

Em 2º lugar nas intenções de voto aparece o presidente da Assembleia Legislativa do Amazonas, o deputado David Almeida (PSB), com 16%.

Com o cenário indicando que a oposição deve se unir e caminhar com David nas eleições, ele se torna um forte candidato a disputar o segundo turno com Amazonino.

Wilson Lima, um novo no pedaço

Em 3º lugar nas intenções de voto aparece o apresentador de TV Wilson Lima (PSC) com 12%.

Apesar de bem colocado na pesquisa, Wilson tem, em sua primeira campanha, grandes desafios para tornar viável a sua candidatura. Sem o apoio de partidos e com poucos aliados, vai faltar tempo de TV, rádio, recursos financeiros e fôlego para se tornar um candidato competitivo.

Das duas uma: Compõe com alguém com mais musculatura provavelmente como vice, apesar de não ter boas lembranças do cargo, ou sai apenas para marcar posição e se projetar para 2020.

Omar Aziz busca arrancada

Em 4º lugar nas intenções de voto aparece o senador Omar Aziz (PSD) com 8%.

Omar busca mais uma vez repetir a arrancada que o elegeu governador em 2010, mas dessa vez o cenário sem a máquina e um número maior de adversários, tornam os planos do Senador mais difíceis.

Mas como dizia Chacrinha, o Velho Guerreiro: “uma eleição só acaba quando termina”, e no Amazonas já presenciamos viradas históricas.

Futuro da ZFM fica para agosto

Após reunião da bancada federal do Amazonas com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM/RJ), na tarde desta quarta-feira (11/07), ficou decidido que a Casa votará na primeira semana de agosto o projeto de decreto legislativo aprovado no Senado que sustou os efeitos do decreto número 9.934/2018, do presidente Michel Temer, reduzindo os incentivos do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de 20% para 4% às indústrias de concentrados de refrigerantes do Polo Industrial de Manaus (PIM).

Apoio de peso

Rodrigo Maia recebeu parlamentares da bancada do Amazonas e disse que vai tratar a matéria como se fosse de interesse do Rio de Janeiro. Segundo ele, o governo terá que resolver o impasse com o Amazonas para que não haja um rito acelerado do projeto naquela Casa.

LDO entra em pauta, mas não se sabe se sai

Ficou para esta quinta-feira (12) a votação da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), depois de mais uma trapalhada do governo, em termos de elaboração de leis, que atrapalhou todo o andamento dos trabalhos no plenário.

De hoje não passa, garantem os deputados, já de olho no recesso parlamentar. Mas ninguém dá garantias de nada.

Cortes e correria

Explica-se: no último minuto antes da votação desta quarta-feira (11), chegou à Aleam uma nova mensagem do governo, alterando toda a LDO.

A mexida resultou em corte de recursos da Defensoria Pública e aumento de dinheiro para o Tribunal de Justiça e Tribunal de Contas. Pegos de surpresa, os deputados da oposição começaram uma gritaria geral!

Casa Civil enrolada

Primeiro porque, atrapalhada, a Casa Civil não deveria ter alterado a LDO inteira, mas apenas enviado uma emenda modificativa, para os itens que queria que fossem alterados.

Segundo porque o aumento de verbas da Defensoria Pública é uma bandeira muito estimada pelo parlamento estadual e tem sido empunhada há vários anos.

Peter Pan às avessas

De repente, sem nenhuma justificativa, Amazonino simplesmente enviou uma emenda à LDO, dando uma “facada” no filhinho pobre do sistema Judiciário.

E para dar para os filhos ricos, riquíssimos! Que em última análise, irão julgar as contas do governo e também os processos que ele enfrenta na Justiça.

Parece pouco, mas não é

Com a alteração, o orçamento do TJ-AM pulou de 7,85% para 8,01% das receitas do Estado, para 2019; o do TCE-AM saiu de 3,0% para 3,03% e o da Defensoria caiu de 1,7% para 1,4% do orçamento estadual.

Com o pequeno corte, a Defensoria Pública perde R$ 20 milhões para usar em 2019.

Até a noite de ontem a emenda modificativa não havia chegado ao Parlamento Estadual, e dessa forma a votação da LDO teve que ser adiada para esta quinta.

Lá vem CPI

A bancada da oposição conseguiu oito assinaturas necessárias para abrir uma Comissão Parlamentar de Inquérito contra o governo de Amazonino Mendes.

A CPI – proposta pelo deputado Sabá Reis e que tem o apoio dos deputados David Almeida, Platiny Soares, Francisco Souza, Abdala Fraxe, Luiz Castro, José Ricardo e Serafim Corrêa – tem o objetivo de investigar centenas de contratações feitas pelo governo, sem licitação.

Os números de Sabá Reis apontam 301 dispensas de licitação, que podem somar até R$ 290 milhões.

Os sem-recesso

Aprovada a CPI, os deputados terão que decidir se instalam imediatamente e começam a trabalhar já no recesso, ou se deixam para começar em agosto, quando recomeçam os trabalhos. A segunda hipótese é bem antipopular pra quem está em campanha política.

Factóides

O líder do governo na Aleam, deputado Dermilson Chagas, afirma que a oposição está sem assunto porque o governo está fazendo tudo certo e ela “precisa se alimentar de algo”.

“Só se joga pedra em árvore que dá frutos”, sintetizou Dermilson.

Mais impostos para o povo

Também na Aleam, mas ainda sem previsão de votação, há um Projeto de Lei do governo do Estado que prevê a retirada dos incentivos fiscais de ICMS nas vendas feitas pela Petrobras, de petróleo e gás vindos de Coari. Com o fim do crédito, a estatal do petróleo vai ter que aumentar o preço dos produtos para compensar seus custos e manter o lucro.

Efeito dominó

Aumentando o preço dos derivados, a Petrobras aumentará o gás e o diesel que abastecem o sistema de energia elétrica do Amazonas, que vai repassar o custo para as contas de energia e o povo acabará pagando a conta. É sempre assim…

Sem noção

Em período eleitoral, o governador Amazonino Mendes seria capaz de defender essa cascata maligna sobre os cidadãos? É esperar pra ver, ainda temos dois e intermináveis dias de plenário da Aleam.

De leve

O Ministério Público do Estado do Amazonas (MP-AM), por meio da 46ª Promotoria de Justiça da Capital, pediu à Justiça a extinção do Instituto Japiim, entidade civil sem fins lucrativos que não tem nenhuma atividade social.

O presidente do Instituto, Manuel Bessa, é irmão do deputado Platiny Soares. O título de Utilidade Pública ao Instituto Japiim chegou a ser vetado por Amazonino, mas sabe-se lá como, o veto não teve validade.

Favreto investigado

Raquel Dodge enviou hoje ao STJ pedido de abertura de inquérito judicial contra Rogério Favreto pelo crime de prevaricação.

Segundo a PGR, ao agir fora de sua jurisdição e sem competência para conceder e reafirmar liminares para que Lula fosse solto, o desembargador do TRF-4 cometeu infração disciplinar.

Dodge descreveu o caso como “episódio atípico e inesperado que produziu efeitos nocivos sobre a credibilidade da Justiça e sobre a higidez do princípio da impessoalidade, que a sustenta”.

Afobação para quê

DEM, PP e Solidariedade tendem, hoje, de fato, a cair nos braços de Ciro Gomes. Mas é uma turma que não gosta de afobação.

Profissionais, devem deixar para decidir se embarcam no vagão de Ciro ou no de Geraldo Alckmin no início de agosto.

Apoio do PSB a Ciro diminui

A vantagem que Ciro Gomes tinha para ganhar a queda de braço com o PT pelo apoio do PSB está refluindo, diz a repórter Maria Lima em O Globo.

Considerado decisivo para alavancar as candidaturas de pedetistas e petistas, o PSB caminha para liberar os estados e adotar oficialmente a neutralidade na disputa pelo Planalto.

 

 

Siga a Direto ao Ponto:

Facebook:
 facebook.com/diretoaopontonews1

Instagram: @diretoaopontonews

Twitter: @diretoaoponto1_

 

Fale com a gente:

WhatsApp: 92 984132214                                                                                                                               

E-mail: [email protected]

Deixe um comentário