Protesto contra Amazonino

Protesto contra Amazonino

A galeria da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), onde cabem cerca de 300 pessoas, ficou lotada de policiais militares nesta quinta-feira (1).

Anúncios

Inconformados com a decisão confusa tomada pelo Governo do Amazonas que vetou as promoções de praças da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros, já estabelecidas desde 2014 por lei aprovada na Aleam, os militares usaram “nariz de palhaço”, faixas de protesto e palavras de ordem, para protestar contra Amazonino.

Defensores

Os deputados da oposição aproveitaram o ensejo para “deitar e rolar” sobre a decisão do governo, cujo respaldo legal está sendo questionado.

Assim, o procurador geral do Estado, Paulo José Gomes de Carvalho, foi convocado para esclarecer o motivo do governo não querer cumprir a lei de quatro anos atrás.

O coro

Durante a barulhenta manifestação dos policiais, na galeria, houve inclusive coro ecoando no salão “David, David, David…”, referindo-se ao presidente da Assembleia Legislativa, David Almeida.

Ausente

O saia justa para a base do governo só não foi maior porque David Almeida não estava presente na sessão.

Estava em Brasília acompanhando Serafim Corrêa em evento do PSB, partido ao qual deve se filiar até a próxima semana.

Esperto

Sabedor do que ocorreria no plenário, o deputado David Almeida gravou um vídeo de apoio aos policiais militares, que foi exibido no telão do plenário! Tudo muito bem orquestrado.

Sozinho

Como líder do governo, o deputado Dermilson Chagas discursou afirmando que tanto os policiais quanto os parlamentares da oposição estavam fazendo “jogo de cena” porque não há, por parte do governo, nenhuma intenção de prejudicar ninguém.

Mas falou, falou e falou sozinho porque a gritaria da oposição inflamou os ânimos durante toda a sessão nesta quinta.

Governo

David Almeida andou dando entrevistas dizendo que só vai concorrer a algum cargo se for para o de governador. Fora isso, nem pensar!

E se perder?

Filas e mais filas

Só para lembrar, a Assembleia Legislativa aprovou na quarta-feira (28), a obrigatoriedade para as casas lotéricas cumprirem a chamada Lei das Filas, de autoria do deputado Abdala Fraxe

Outros órgãos que atuam como “bancos” para pagamento de contas, também terão que seguir o mesmo ritmo.

Isso significa que o tempo de espera nas filas é de 15 minutos em dias normais, 20 minutos nas vésperas ou depois dos feriados e 25 minutos nos dias de pagamento de salários.

De saída

Suposto candidato ao Senado Federal, o vice-governador e secretario de Segurança do Estado Bosco Saraiva já está arrumando as malas para sair do governo.

Mais de 10 nomes estão sendo analisados pelo Governador Amazonino Mendes que busca alguém que dê continuidade no trabalho de Bosco, que vem conduzindo a secretária com maestria, tanto em números positivos, como na habilidade e tato de lidar com a imprensa e redes sociais.

Ganha força nos bastidores o nome do Coronel Walter Cruz, hoje presidente da Arsam.

Rota de colisão

O prefeito de Manaus Arthur Virgílio continua fazendo confusão no ninho tucano com as suas declarações à imprensa.

Em entrevista à BBC Brasil, atacou mais uma vez o pré-candidato à Presidência da República Geraldo Alckmin e o partido: “PSDB se acha o último biscoito do pacote”.

Ainda segundo o prefeito, Alckmin não tem “preocupação social” nem “linguagem” para falar com outras regiões do país, por isso não decola nas pesquisas de intenção de voto.

Sobre nepotismo

Questionado pela BBC Brasil – O senhor falou da importância da ética pública, mas empregou na sua administração a sua mulher e o seu filho. Isso não soa antiético?

“Não!” – Afirmou o prefeito.

Mudança de hábito

Em 2009, ainda como Senador, Arthur foi uma das vozes que ecoaram no Congresso Nacional com críticas e representações contra o presidente do Senado, José Sarney, acusado de nepotismo por usar sua influência e articular um emprego para o namorado da neta no Senado.

Quinto constitucional

Na quarta-feira (28) foram confirmadas as pré-candidaturas dos advogados Charles Garcia e Silvio Batista, à vaga de desembargador do TJAM pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-AM).

Mais quatro advogados do grupo liderado pelos advogados Jean Cleuter e Oldeney Valente e pela Procuradora da Fazenda Omara Gusmão, serão escolhidos na próxima segunda-feira (5) para fazer parte do chapão que terá seis candidatos. Outros grupos irão lançar candidatos e a expectativa é que mais de 15 advogados disputem a vaga de desembargador.

A homologação também marca o início das articulações para a eleição de presidente da OAB-AM marcada para novembro. Hoje a Ordem é comandada pelo advogado Marco Aurélio Choy, que trabalha nos bastidores para viabilizar a sua reeleição.

A votação funciona da seguinte maneira: Os membros do Conselho Secional vão escolher seis advogados para compor a lista sêxtupla da OAB, que será enviada ao tribunal. A corte ficará responsável por selecionar três deles, e a nomeação cabe ao governador do Estado, Amazonino Mendes.

O presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM), desembargador Flávio Pascarelli, ainda não confirmou a data para a eleição. Mas fontes do Direto ao Ponto afirmaram que Pascarelli simpatiza com a realização da eleição antes do termino do seu mandato em julho.

W.O.

Sem concorrentes, o atual presidente do TRE-AM, desembargador Yedo Simões, deverá ser aclamado presidente do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM) para o biênio 2018-2020.

O único postulante ao posto, desembargador Domingos Chalub, desistiu de disputar a presidência e vai buscar a função de Corregedor-Geral de Justiça da Corte.

A data da eleição para o comando do Tribunal de Justiça ainda não está marcada, mas necessariamente precisa ocorrer ainda no primeiro semestre deste ano.

No dia 4 de julho encerra o mandato do atual presidente, desembargador Flávio Pascarelli.

Quem assume o pepino?

O Conselho de Comunicação Social do Senado vai discutir um anteprojeto que obriga provedores e redes sociais a retirar conteúdo denunciado como fake news em 24 horas, sem necessidade de autorização judicial.

Até agora, no entanto, nenhum senador apareceu para assumir o pepino e chamar o projeto de seu.

Inciativa semelhante conseguiu passar despercebida pela reforma política, mas foi vetada por Temer.

A proposta, que ficou conhecida como “emenda da censura”, foi enterrada.

O projeto de lei sem dono prevê ainda punição de seis meses a três anos de detenção em caso de fabricação de notícias falsas durante o ano eleitoral.

Deixe um comentário