Sinésio Campos denuncia tentativa de intimidação por parte da empresa Amazonas Energia

Sinésio Campos denuncia tentativa de intimidação por parte da empresa Amazonas Energia

Sinésio Campos denuncia tentativa de intimidação por parte da empresa Amazonas Energia

O presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Amazonas Energia, deputado estadual Sinésio Campos (PT), denunciou nesta quinta-feira (4), durante a reunião da Comissão instaurada na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), que funcionários da empresa investigada pela CPI foram, pela parte da manhã, até a sua casa e substituíram o medidor de energia sem permissão ou aviso prévio. Para o parlamentar essa ação configura uma tentativa de intimidar as atividades da Comissão. 

Anúncios

Durante a reunião, o deputado apresentou um vídeo de uma câmera de segurança que mostra a equipe da concessionária trocando o medidor. “A equipe da empresa foi direto ao contador, sem avisar quem estava em casa e retiraram os lacres, que deveriam ser objetos de perícia e jogaram na rua. Mas nada disso me amedronta, os trabalhos vão continuar. É preciso parar esse absurdo que a população vem sofrendo”, declarou o deputado. 

A denúncia de Sinésio Campos vai ao encontro de outras feitas durante a reunião da comissão, como a do cidadão Wenceslau de Araujo Botelho, que teve sua casa invadida por uma equipe da concessionária de energia e divulgou o fato em um vídeo que publicou nas redes sociais. “Após a mídia repercutir o vídeo,  fui multado em R$ 4.954. Procurei ajuda do Instituto de Defesa do Consumidor (Procon-AM), que exigiu comprovação de motivo da multa e a empresa nunca apresentou nenhuma justificativa”, disse o cidadão convidado a depor na CPI para falar sobre as arbitrariedades que sofreu.

Ainda na reunião, o vereador de Iranduba, Luís Carlos Velho (Republicanos), falou em seu depoimento sobre a Ação Popular Pública impetrada por ele, que é presidente da Comissão de Defesa do Consumidor da Câmara do município, contra a Amazonas Energia, por não repassar à prefeitura os valores corretos de tributos arrecadados da população para manutenção da iluminação pública e por cobrar a taxa desse serviço, mesmo em lugares sem postes de luz. “Ficou claro que a prefeitura de Iranduba não fiscalizava o que era repassado pela empresa. A partir da primeira sentença favorável ao município, a empresa começou a repassar os valores corretos. A ação rendeu mais de R$ 14 milhões nessa primeira decisão”, afirmou. 

Para os parlamentares esses relatos de abusos e irregularidades só reforçam a necessidade de investigação sobre a atuação da concessionária de energia elétrica. A próxima reunião da CPI será realizada na terça-feira (9), às 14h, no miniplenário Cônego Azevedo da Aleam. Foram convidados para depor na ocasião os deputados estaduais de Rondônia Alex Redano (PRB) e Jair Montes (Avante), que foram, respectivamente, presidente e relator da CPI da Energisa, que, em 2019, investigou irregularidades da concessionária de energia que atua em Rondônia e pertence ao mesmo grupo empresarial da Amazonas Energia.

Deixe um comentário