Opinião | Arthur e Omar antecipam disputa para Senado em 2022

Opinião | Arthur e Omar antecipam disputa para Senado em 2022

⭕ Arthur e Omar antecipam disputa para Senado em 2022

⭕ Senador inicia agendas de rua de olho na reeleição

⭕ José Melo articula candidatura a deputado estadual e quer ser um dos mais votados

⭕ Mudança de comando da segurança pública do Amazonas

⭕ Carlos Suarez, dono da Cigás, tem US$ 15 milhões bloqueados na Suíça

De olho no Senado

A pré-campanha para a vaga de Senador do Amazonas em 2022 saiu dos bastidores e passou a ganhar os holofotes da mídia e as publicações das redes sociais.

Anúncios

Antes restrita a Omar Aziz (PSD), Coronel Menezes (Patriota) e Chico Preto (sem partido), a antecipação da disputa do pleito ganhou mais um integrante de peso nos últimos dias: o ex-prefeito e ex-senador Arthur Virgílio Neto (PSDB).

Arthur, que até pouco tempo atrás demonstrava maior interesse em disputar as prévias do PSDB para a presidência da República, ao que parece, já vem mudando de ideia e aposta suas fichas no Senado.

Tanto é verdade, que tem subido o tom nas críticas a Omar, sobretudo após receber informações de que o presidente da CPI da Covid estava supostamente pagando portais através de intermediários para atacá-lo.

Críticas ácidas

Há pelo menos três semanas, Arthur tem dedicado ao menos um dia para postar críticas a Omar nas redes sociais.

Na última quarta-feira (28), publicou um artigo intitulado “Malandro Municipal”, onde diz que o senador é a pessoa mais perversa que conhece e que, em 2005, o salvou da CPI da Pedofilia do Congresso Nacional, de uma dura condenação penal e a desmoralização completa.

Corpo a corpo

Segundo fontes ligadas ao ex-prefeito Arthur Neto, ele deve cair em campo na pré-campanha já nas próximas semanas, onde fará aparições públicas e iniciará uma série de reuniões com lideranças políticas, tanto na capital quanto no interior.

Termômetro

Omar, por outro lado, já retornou às agendas de rua após mais de dois anos de sumiço.

Suas últimas aparições foram durante a sua campanha para o Governo do Amazonas, em 2018, onde ficou na quarta colocação com apenas 8%, 142.804 mil votos, atrás de Wilson Lima (eleito governador), Amazonino Mendes e David Almeida.

No último final de semana, o senador participou de um café da manhã com lideranças femininas no Jorge Teixeira, ao lado do deputado federal Sidney Leite (PSD) e do ex-vereador de Manaus, Cláudio Proença.

Melo confiante na vitória

Por falar em eleição, quem bateu o martelo e voltará a disputar um pleito é o ex-governador José Melo.
Interlocutores do “professor” afirmam que ele será candidato a deputado estadual e já vislumbra ser um dos mais votados na disputa por uma vaga no Parlamento Estadual.

Melo, vale lembrar, foi cassado em 2017 por compra de votos e, posteriormente, preso no mesmo ano em um desdobramento da operação Maus Caminhos, que apura desvios de recursos da Saúde do Amazonas.

Mudança na segurança

O secretário de Segurança Pública do Estado, Louismar Bonates, pediu afastamento do cargo para tratamento de saúde e abre uma vaga no secretariado de Wilson Lima, que segundo informações, deve iniciar uma pequena reforma administrativa nos próximos dias.

Comenta-se, nos bastidores da sede do Governo, que Wilson bateu o martelo e deve indicar o general do Exército Carlos Alberto Mansur.

Dinheiro bloqueado

O proprietário da Companhia de Gás do Amazonas (Cigás), que até antes da aprovação da nova Lei do Gás nesse ano tinha o monopólio na distribuição e comercialização de gás natural no Estado, teve US$ 15,1 milhões bloqueados de uma conta em nome da Termogás Internacional na Suíça, informaram autoridades do país Europeu ao Ministério Público Federal do Brasil.

O bloqueio foi feito por suspeita de lavagem de dinheiro. Segundo as investigações, as transferências bancárias que irrigaram essa conta foram feitas por “contas de passagem” para “dificultar o rastreamento dos recursos e ocultar o verdadeiro destinatário dos valores”.

Deixe um comentário